Você tomou coragem, montou o plano de negócios, pesquisou sobre o ponto comercial e os fornecedores! O sonho de ter o seu próprio restaurante se concretizou! Mas, depois disso tudo, chega mais uma etapa, quando surge esta questão: “como criar um cardápio para meu restaurante?”.

No post de hoje, mostramos ótimas dicas. Confira!

Como criar um cardápio para meu restaurante?

Para responder essa pergunta, é preciso levar em conta o estilo de cozinha, o público-alvo do restaurante e o formato e conteúdo do cardápio. A seguir, entenda cada um desses fatores:

Estilo de cozinha

Esse é um parâmetro essencial sobre como criar um cardápio. Por exemplo, se você gerenciar um bistrô que tenha poucas opções de pratos, mas com variações diárias, uma boa ideia é ter um cardápio de itens fixos, como bebidas e sobremesas, e uma folha simples com os pratos, a qual pode ser trocada sempre que as opções mudarem.

Caso você tenha um restaurante especializado em carnes, por exemplo, é interessante ter um único cardápio que apresente os cortes conforme o tipo e também ter uma carta de bebidas.

Público-alvo do restaurante

O público-alvo é determinante. Se a sua proposta for mais casual e popular, cores vibrantes e um material gráfico mais simples, com breves descrições dos pratos, são o suficiente.

Se, no entanto, a casa for mais sofisticada, com número grande de pratos e preparos elaborados, é necessário que o cardápio esteja em harmonia com a comida e os serviços oferecidos.

Formato e conteúdo do cardápio

Com o público-alvo em mente, chega-se aos formatos: folha simples, em dobradura ou em formato de livro? Novamente, é necessário pensar no estilo da casa.

Se a carta de vinhos e bebidas for extensa, é melhor que esteja organizada em formato de livro, tornando mais fácil a escolha do cliente. Se o restaurante conta com a opção de delivery, talvez seja uma boa ideia imprimir o cardápio em formato de dobradura. Dessa forma, ele poderá ser usado tanto na loja física quanto nas entregas.

O estilo do restaurante também determina outro ponto: o conteúdo que vai guiar o cardápio. Se a casa servir comida típica italiana, por exemplo, pode focar nas massas e em diferentes molhos. Se for um rodízio japonês, é preciso que os itens inclusos estejam bem descritos e especificados dentro de cada faixa de preço.

Por fim, independentemente do estilo, o capricho na apresentação e a clareza de linguagem e ortografia (acredite, os clientes reparam quando a grafia de um prato está incorreta!) causam uma boa impressão.

O que não pode faltar em um cardápio?

Pode parecer óbvio dizer isso, mas é indispensável informar os preços! Porém, tenha cuidado para que a informação não seja mais evidente que os próprios pratos. Além disso, os preços devem ser condizentes com o que é oferecido.

Ainda, é importante especificar as taxas que são cobradas (10%, couvert) e quais formas de pagamento são aceitas. Assim, evitam-se confusões na hora da conta.

É bem interessante também se preocupar em oferecer opções vegetarianas ou veganas, menu especial para crianças (tamanho reduzido) e pratos para alérgicos ou intolerantes a determinados alimentos.

Por fim, disponibilize, no cardápio, os endereços de suas redes sociais. Essa é uma boa forma de aumentar o engajamento dos clientes.

Qual a ordem certa dos itens?

A sequência de itens mais comum é esta: entradas, porções e saladas, pratos principais e sobremesas. Além disso, as bebidas podem ter um espaço no cardápio ou serem oferecidas à parte. De todo modo, a ordenação dependerá do estilo do restaurante, como vimos anteriormente.

Por fim, escolhida a ordem, surge a questão de ilustrar ou não o cardápio. A não ser que você tenha disponibilidade para produzir fotos profissionais e com alta resolução, não inclua imagens. Fotos genéricas obtidas na internet podem causar a impressão errada, além de gerar uma expectativa que dificilmente será correspondida.

Esperamos que tenhamos lhe ajudado a responder a pergunta “como criar um cardápio para meu restaurante?”. Essas dicas de hoje vão ajudá-lo a organizar um cardápio bacana e consistente.

Mas, caso ainda sinta dúvidas – ou, quem sabe, tenha experiências para contar –, não se esqueça de deixar a sua opinião nos comentários!

Bruno é aficionado por tecnologia e por negócios, adora ver como essas duas coisas podem ser combinadas para melhorar a vida e as experiências das pessoas. Ele é engenheiro, "computeiro" e sócio do isyBuy, onde trabalha para que as pessoas parem de desperdiçar o que elas tem de mais precioso na vida: seu tempo